Arquivos de outubro 2021

Sem Poesia!

Senhor, perdoa-me o despautério. Devolvo-te a inspiração. Sinto cometer um adultério, traindo a voz do coração. Meus versos perderam a alegria, caminham sisudos pela poesia. Meus lábios não dizem o que sinto, contradizem minhas palavras, meu olhar. Tento enaltecer o amor que, de tão raro, se codificou. Quero descrever o belo que perdeu o viço …

Continue lendo

Mundo!

Lá fora me chama o tempo e, incansável, meu nome proclama ecoando nas marolas do vento, ora brando, ora turbulento. Aqui dentro, mundo imaginário, eu me retranco. Burlo as leis do calendário, horas, dias, meses e anos e deixo o tempo ir, sem resposta, sem realizar o que mais gosta. Retiro as travas da alma, …

Continue lendo

Arte!

Arte Caminho o percurso de sempre. Percorro o que não condiz com minha mente. Um desassossego invade meu ser, arrasta-me para ver o que ali não existe. Sussurra-me aos ouvidos: ouça! Paro, mas a inquietude persiste. A melodia insiste em ressoar a trilha sonora que me persuade. Uma força misteriosa me invade. Rendo-me. Deixo-me levar …

Continue lendo

Espera!

Quando tu não vens, meus olhos se perdem no escuro. Meus pés não tocam o chão. Flutuo entre densas nuvens: te procuro em vão. Como olhar as estrelas, se elas se escondem no teu olhar? Sinto-me tão só. A lua não aparece. E, de manhã, nem sei mais onde nasce o sol. Quando não vens, …

Continue lendo

Fábula!

Entediante é a vida nua, concreta, vivida. E eu já não cria na existência de laços, espaços, anjos, fantasia. Sem compartimentos para armazenar alegria, passei a arrastar-me na brancura dos dias. Eis que sem entendimento, à minha revelia, fui levada a mundos tão diversamente leves onde o viver me aprazia.

Saciedade!

A saciedade mais a fome trouxe-me a fartura, e lembrou-me o jejum. Veios se abriram, sangrando. Uma sede inesgotável nasceu. Ausências me povoaram e um medo antigo ocupou-me. A saciedade me penetrou com seus vazios, encharcando-me de esperas.

Impressões!

Estou de passagem, tu sabes. Estás de passagem, eu sei. Deixa que eu grave em minhas digitais a tua travessia ou deixa que eu grave minhas digitais em tua travessia. Tanto faz!

Hei!

Hei de amar-te: com a lucidez dos cegos, com a serenidade dos pródigos, com a urgência dos meigos, com a volúpia dos mártires. Hei de amar-te: no abandono dos sustos, no intervalo das dores, no revés dos sonhos. Hei de amar-te: apesar dos limites do corpo, durante a suspensão dos medos, com a delicadeza que …

Continue lendo